Um Sistema do Rastreamento para o gado bovino do Uruguai que assegura a qualidade sanitária

Cliente: Ministério de Pecuária, Agricultura e Pesca, Governo do Uruguai Indústria: Governo Solução: Rastreamento Pecuário Categoria: Governo

Resumo

A partir do ano 2004, o Governo do Uruguai criou um sistema nacional de identificação pecuária no marco da luta contra a febre aftosa, atendendo os exigentes requisitos sanitários dos mercados internacionais. A partir de um sistema de rastreamento grupal vigente no Uruguai até esse momento, a solução provida pela SONDA conseguiu implementar um novo sistema mediante a incorporação de TI e identificadores RFID para os animais.

A melhora se estruturou em torno de vários pilares: uma base de dados segura, confiável e atualizada em tempo real; um processamento óptico de formulários; e a integração com o sistema de informação geográfico. Adicionalmente, a SONDA construiu e veio administrando um Data Center especializado. Desde fins de 2006, o sistema já é obrigatório para o rastreamento individual bovina.

Necessidade de negócio

Uma problemática mundial

Até começos de 2004, Uruguai acessava com suas carnes à União Europeia através de seu sistema de rastreamento grupal; entretanto, com a aparição na Inglaterra da “enfermidade da vaca louca” (1986) e no Japão de formas atípicas da enfermidade do Creutzfeldt-Jakob (1996) em seres humanos, transmitidas através de certos mantimentos, o governo uruguaio considerou indispensável a implementação de um sistema complementar de rastreamento individual para todos seus animais.

Dessa maneira, o Ministério de Gado, Agricultura e Pesca, chamou em setembro de 2002 a uma licitação pública para desenvolver o Sistema Nacional de Informação Pecuária (SNIG), a objeto de controlar as etapas na vida de um animal e sua posterior comercialização, garantindo a origem e inocuidade dos mantimentos.

A SONDA no Uruguai em conjunto com um consórcio de empresas do setor tecnológico adjudicou-se o projeto em outubro de 2003, adquirindo o desafio para nos próximos anos de incorporar tecnologia nos processos produtivos para passar de um sistema apoiado na identificação grupal a um individual.

Solução

Solução: a Tecnologia RFID

O projeto considerou a sobreposição entre o antigo sistema de rastreamento grupal, apoiado em papel, e um novo sistema de rastreamento individual apoiado na identificação eletrônica do gado. A tecnologia RFID foi a que apresentou maiores vantagens na habilitação do rastreamento individual, por várias razões. Em primeiro lugar, seus custos são compatíveis com a cadeia de valor em consideração. Além disso, é uma tecnologia amadurecida e segura, no sentido de que apresenta a durabilidade, resistência e integridade requeridas. Finalmente, e esse é um aspecto fundamental, provou ser inteiramente compatível com a cultura do campo, o que em caso contrário teria impossibilitado sua adoção.

O processo se inicia com o nascimento de uma cabeça de gado, a que se atribuirá um número identificador único. Esse estará presente em dois dispositivos que levará o animal: o primeiro é um identificador visual, e o segundo é um brinco RFID. Ao momento de sua colocação, o produtor completa um formulário indicando os dados do animal, tais como número identificador, proprietário, estação e ano de nascimento, sexo, raça e cruzamento. Logo, a informação deste formulário será carregada a uma base de dados centralizada, que começará a registrar todos os eventos na vida da cabeça de gado.

No caso dos movimentos de gado entre produtores, são os operadores de transporte os responsáveis por capturar a informação e transmiti-la à base de dados. Para estes fins, os transportadores contam com leitores RFID que extraem a informação dos animais e logo a transmitem via rede GPRS à base centralizada, junto com a informação do destino dos animais. Dessa forma, o sistema central conta com informação fidedigna e atualizada respeito ao estado e localização de cada cabeça de gado.

Resultados

Benefícios tangíveis

Em um país como o Uruguai, em que mais de 75% de sua produção pecuária se destina à exportação, é indispensável assegurar a qualidade sanitária de seus produtos de carne. A solução entregue pela SONDA outorga um fator diferenciador na hora de obter vantagens comparativas ao cumprir com padrões de qualidade internacionais.

Além disso, unifica a informação da comercialização do produto e provê aos consumidores de um produto confiável, de origem conhecida e obtido através de um processo eficaz, fortalecendo a imagem de país seguro e de qualidade alimentar.

Beneficios

  • Sistema de Informação Geográfica
  • Software de processamento de documentos
  • Transmissão de dados em tempo real
  • Mais de 5 milhões de animais identificados com tags RFID
  • Data Center
Contáctanos